Meta Cumprida!

Na Festa ESCANDALIZA de 2013, lançamos a nós mesmos, corpo editorial da Escândalo, o desafio de converter nosso catálogo ao formato digital. Muitos foram os pedidos de leitores por e-books, por sua facilidade, mobilidade e preço reduzido.

E é com grata satisfação que estamos aqui para anunciar o total cumprimento dessa meta! O acervo completo da Editora Escândalo já se encontra disponível em formato digital no site da Amazon.

São 20 obras em formato Kindle que o leitor adquire com um clique apenas! É uma das metas da editora se realizando: levar a literatura LGBT de qualidade cada vez mais perto do leitor!

Visite-nos agora mesmo! Acesse o site da Amazon e busque pelo título de sua preferência!

Escandalizamos!!!

 

Impressões de Giselle Jacques

Mais uma vez minha amada Metrópole. Mais uma vez aqueles sorrisos abertos e olhares perspicazes e inteligentes que eu tanto adoro. E foi numa sexta-feira amena e aconchegante, dia 2 de maio, que, mais uma vez, Escandalizamos São Paulo!!!

A segunda Festa Escandaliza foi demais! Autores e leitores confraternizando, autógrafos por todos os lados, gente engajada, gente interessante. Tudo mais pareceu um encontro de bar, tamanha a descontração do ambiente e dos mais de 70 visitantes.

Isso, sem falar da presença incrível de dois convidados mega-pop’s dos quadrinhos LGBT, nossos queridíssimos Mário Cesar e Anita Costa Prado, que trouxeram cor, humor e arte ao nosso evento do coração!

Os lançamentos bombaram e os autores arrasaram em charme e dedicação aos leitores. Nós, exibidos e orgulhosos editores, também pudemos dar nosso ar na festa. Ganhei até flores dos meus queridos!!! Mas, dessa vez, a comemoração era de todos. Afinal, são quase três anos de sonho, de batalha e de intensa literatura.

Sentimos a falta de alguns. Tivemos o privilégio de reencontrar outros. A Escandaliza é isso: um momento nosso de rever rostos que nos são tão caros, conhecer outros que, quem sabe, se tornarão grandes amigos, e lembrar que estamos aqui para isso mesmo. Para espalhar a alegria de ler um bom livro!

Vejo vocês, meus amores, na próxima festa! Enquanto isso, continuem assim, lindos e escandalosos!!!

.

Fotos gentilmente cedidas por: Alexandre Melo, Luciano Cilindro de Souza, Anita Costa Prado, Heller de Paula.

 

 

Congresso ABEH 2014

A Editora Escândalo convida a todos a participar das palestras, debates e mostras do Congresso da ABEH 2014, que ocorrerá na FURG, em Rio Grande – RS.

O congresso acontece entre os dias 7 e 9 de Maio. Estaremos presentes no evento com nosso stand e a presença de dois dos nossos autores: Adailson Moreira e Carlos Eduardo Bezerra, autores e organizadores, juntamente com Telma Maciel, do livro ARCO-ÍRIS REVISITADO - Diversidade Sexual em Pauta.

Lançamento do Livro ERRORRAGIA


Desta vez Brasília recebe o lançamento do livro de contos ERRORRAGIA, do escritor Roberto Muniz Dias.

Vai ser no Café Savana, CLN Quadra 16, Bloco A, Loja 04 – Asa Norte!

Dia 10 de Abril, às 19h30!

 

Venha curtir uma noite cultural, bater um papo gostoso com esse badalado autor e ainda ganhar um autógrafo!

Confirme sua presença pelo Facebook.

 

Festa ESCANDALIZA 2014

Já virou tradição! Comemorando a Semana da Parada LGBT de São Paulo 2014, a Editora Escândalo orgulhosamente convida leitores, autores e amigos para o evento ESCANDALIZA – a Festa Literária da Escândalo!

Vamos escandalizar São Paulo mais uma vez e comemorar o segundo ano do evento com lançamentos de títulos inéditos, sessão de autógrafos e a presença de vários autores e convidados da cena LGBT.

Novamente, estamos em parceria com o Telstar Hostels (Rua Capitão Cavalcanti, 177 – Vila Mariana), local de fácil acesso, agradável e que recebe a todos de portas e braços abertos.

O evento terá início a partir das 18:00 de sexta-feira, 02 de Maio de 2014.

# Programação

18h – Apresentação Autores e Obras da Escândalo

19h – Lançamento A Sesmaria Esquecida de Luciano Cilindro de Souza

20h – Lançamento Homossilábicas Vol. 3, a já tradicional coletânea de autores LGBT da Escândalo

ENTRADA FRANCA! Contamos com sua presença e agradecemos pela divulgação!

Alexandre Melo Fala de A Sesmaria Esquecida

Nosso contista e editor, Alexandre Melo, nos dá sua opinião sobre o romance histórico de Luciano Cilindro de Souza, A Sesmaria Esquecia! Confira!

Por Alexandre Melo

.

“Algumas coisas pressupõem-se ter sempre existido desde os mais primordiais tempos, como, por exemplo, a mais antiga profissão conhecida e, porque não dizer, o amor entre o mesmo sexo. Comungando da mesma desdita, a primeira, ainda que execrada, pode ser aceita como um mal necessário, enquanto a segunda ainda hoje carrega em si a marca da pura maldade.

Historicamente, por sermos assim considerados ímpios e desmerecedores de qualquer tipo de registro, mesmo porque, qual melhor maneira de negar a existência de algo que apagar seus traços na historia? Tarefa impossível porque sempre há de sobrar um mísero registro para provar que fomos; há pouco material disponível sobre o amor que não ousa dizer o nome nos tempos mais remotos de nosso país e, talvez quando exista, esteja mais relacionado a autos e processos do que efetivamente a algo mais afeito ao cotidiano ou à vida dessas pessoas.

 Partindo desse principio, o trabalho de alocar um romance desses em época demanda, em tese, mais trabalho para ambientar a história que efetivamente tecer o enredo amoroso em si já que este, guardadas algumas proporções de costumes e usos da época desejada, não mudaria muito. É com isso que Luciano Cilindro de Souza trabalha em seu ‘A Sesmaria Esquecida’.

Antes um romance-aula histórico que um romance em si, há um preciosismo em descrever impecavelmente locais, pessoas, vestes, edifícios e outros mais que permitem ao leitor ver-se no Brasil Colônia em toda sua glória e, porque não dizer, podridão. Bem escrito e com ritmo agradável, certamente vai prender a atenção ainda que demande do leitor certo embasamento histórico elementar, coisa meio rara nos dias de hoje e que pode fazer mais sentido a uma parcela mais adulta do público.

Talvez um fator menos favorecedor (opinião pessoal) seja os protagonistas serem estereótipos de machos alfa, possivelmente à época, devido ao estilo de vida bruto, esse fosse o biótipo dominante, mas, não posso deixar de estranhar essa necessidade de idealizarmos a beleza como algo inatingível, o que, entretanto, não desmerece de forma alguma a narrativa.

A história de Trajano (o senhor de engenho libertário) e John (o membro de uma expedição malograda que após vagar por outras terras dá no Brasil) pode ser lida como o encontro de dois náufragos. Trajano perdido no mar de regras e convenções sociais que lhe prendem e atormentam, seja por lhe negar as afeições que deseja ou por lhe negar a igualdade que ele sonha, mas reluta em buscar, pouco desejoso de abrir mão da ganância que lhe servia como combustível interno ante a impossibilidade de ter seus reais anseios realizados.

E John, um marinheiro inglês que vagou parte do mundo atrás de um amor paterno perdido e idealizado na figura dos homens que desejava. Encontra em Trajano o senhor que buscava para seu amor, mas, talvez pelos tempos serem outros e a moral embutida nas pessoas ser também outra, ambos não conseguem encaixar esse desejo puro e simples em suas necessidades. Trajano ama a John como mais uma de suas posses e John ama a Trajano por ser seu objeto ainda que deteste sentir-se assim. Ambos tomam ciência do amor que sentiam e de como vivê-lo quase tarde demais.

Ambos seriam sesmarias um do outro, como a aguardar que o inicio da produção (amor) se desse nos prazos imaginados e, quando isso não ocorre como planejado, resta saber qual direito de posse será cassado. Obviamente, a corda pende para o lado mais forte, o que acaba por afastar os dois, lhes relegando a uma relação de arrendamento enfitêutico sempre rondado pelo medo da Inquisição lhes roubar os poucos momentos de felicidade ou, pelos diferentes valores dos dois quase sempre se embatendo. Trajano traveste-se déspota sob a justificativa de proteger seu amor e John sente-se incapaz de fugir desse absolutista que lhe roubara o coração, dois homens fortes atirados ao redemoinho da paixão não permitida e libertos quando a consumam sem culpa em seus corações, mesmo que o preço do segredo seja sua sanidade e integridade.

Talvez um defeito, pequeno e irrisório e que, em contexto da trama tem seu objetivo, seja na parte final a relação de Trajano e John que havia se consolidado tanto parecer meio distante, fria ante as adversidades medonhas que enfrentavam. Novamente, Luciano tira de sua cartola um desfecho simples, doce, idílico e que nos faz fechar as últimas páginas com um sentimento de açúcar e especiarias nos olhos, mas não desses que fizeram a fortuna das nações, outros que adoçam a alma, o coração e deixam a esperança a poucos centímetros de distância.”

Escândalo na Tarde Multicultural Sem Fronteiras

Rafael Nova fala da participação da Editora Escândalo na Tarde Multicultural Sem Fronteiras.
___________________________________________________________________________________

A Editora Escândalo marcou presença na Tarde Multicultural – Sem Fronteiras em Porto Alegre durante o sábado no dia 11 de janeiro. O evento, idealizado por Fabio da Silva Barbosa e Vincent Acrata reuniu gente dos mais variados estilos compartilhando em comum um desejo libertário, de ir além dos padrões estabelecidos.

Entre exposição da zines, livros, quadros, autores e profissionais falaram sobre seus trabalhos, realizaram performances, apresentações musicais, num clima interativo e totalmente receptivo ao longo de toda a tarde.

Giselle Jaques e Alexandre Willer Mello, dois dos editores atualmente à frente da Editora Escândalo (em conjunto de Luciano Cilindro de Souza, ausente no evento), conversaram com o público a respeito do mercado editorial LGBT e os desafios atuais neste segmento. Vários participantes questionaram e buscaram informações tanto sobre o tema quanto sobre a Escândalo e suas obras.

Um dos problemas, segundo os editores, em divulgar e levar ao grande público os livros está na resistência das livrarias em simplesmente expor um material “gay”. Mesmo entre estabelecimentos mais alternativos, ouvir um “não” foi constante. Grandes lojas do ramo preferem manter os títulos apenas no catálogo, preocupadas com a assimilação da ideia por parte de outros clientes ao se depararem com as produções nas prateleiras.

Há também uma confusão entre o pornográfico e o homoafetivo que gera certo preconceito. Uma das premissas da Escândalo é demonstrar que o homoafetivo é capaz de oferecer histórias e materiais (que incluem pesquisas e publicações acadêmicas) que vão além do puramente sexual e falam ao sentimento, à razão e emoção de quem é LGBT, mas também de quem não é – o público heterossexual. A Editora, inclusive, não se fecha à participação de autores heterossexuais desde que seja respeitada a premissa do cunho de ficção e não-ficção LGBT.

Os “Escandalosos”, autores Estevam Von Claus (contista em Homossilábicas Vol. 2) e Rafael Nova (romancista com Cidade do Anjo) também participaram do evento. Uma das novidades foi a divulgação do nascimento da “Senda” um segmento que vem agregar à Escândalo a publicação de obras que permeiam outros gêneros.

Para 2014 os editores já articulam o lançamento de novas obras, a participação em mais eventos (também fora do segmento LGBT), a ampliação da divulgação das suas produções. Certamente a Editora Escândalo vem com tudo, e sua intensidade não fica só no nome. A sua presença na Tarde Multicultural demonstra que a abertura é um dos passos para diminuir as “Fronteiras” e tocar pessoas com um trabalho cuidadoso e de qualidade.

Projeto Literatura e Diversidade Sexual

Literatura e Diversidade Sexual é o título de um magnífico projeto que visa integrar alunos de uma escola de Itatira-CE em um programa de combate ao bullying homofóbico e de conscientização da diversidade sexual.

O Projeto é uma iniciativa do professor Francisco Wesley Carlos Sales para a Escola Nazaré Guerra e já atinge grande público com a participação efetiva dos alunos em feiras e eventos socioculturais.

Em matéria do site G1, de 26 de junho de 2013, o professor coordenador do projeto afirma: “Queremos transformar por meio de livros clássicos. Perguntamos, por exemplo, se Romeu e Julieta fossem um casal gay, os alunos ainda iriam gostar?” E complementa: “Queremos que os alunos cheguem já sabendo que a escola está com a preocupação de acabar com o preconceito.”

A literatura de temática LGBT é objeto sólido de estudo do grupo e parte significativa do processo de conscientização que os alunos promovem. E nós, da Editora Escândalo, nos sentimos honrados em participar e apoiar o Projeto, por meio de diversas publicações, sempre em defesa dos direitos humanos e contra o preconceito.

Acompanhe o projeto Literatura e Diversidade Sexual no Facebook.

Fotos gentilmente cedidas pelo professor Francisco Sales.

Roberto Muniz Dias entrevista Luciano Cilindro de Souza

Roberto Muniz Dias, romancista, contista e colunista do site MixBrasil entrevista com exclusividade o mais novo autor da Editora Escândalo, Luciano Cilindro de Souza. A entrevista versa sobre A Sesmaria Esquecida, a literatura histórico-ficcional de Luciano e as influências desse Médico Escritor!!!

Trecho:

Pesquisa ou intuição para se confeccionar um livro?

“As duas sempre devem estar presentes. Numa ficção histórica, a pesquisa é indispensável. Nosso psiquismo trabalha com harmonia. A pesquisa, no enredo, vai instigar o lobo esquerdo do cérebro, o da razão. A intuição do artista vai despertar, já no lobo direito do leitor, o encanto das emoções. Um bom texto ativa e deleita toda nossa alma.”

Leia a entrevista na íntegra no Blog de Roberto Muniz Dias no Mix Brasil.